quinta-feira, 19 de outubro de 2017

Férias - Parque dos Falcões onde se recupera um pouco da dignidade


Durante as férias em Aracaju, pegamos algumas dicas de lugares para visitar no posto de turismo da praia de Atalaia. A Andrea fez uma pergunta boa a atendente sobre lugares que você não pode deixar de ir. Uma das dicas foi a gastrotinga que poderíamos conhecer perto do cânion do São Francisco e o parque dos Falcões que fica a 30 km de Aracaju e que pelo mapa eu resolvi visitar na volta de Piranhas-AL, vindo pela rodovia que passa por Itabaiana-SE.
Saímos as 8 horas de Piranhas, almoçamos num shopping Peixoto em Itabaiana, junto a rodovia de acesso ao parque a BR-235. Chegamos ao parque as 14 horas pelo primeiro acesso conforme o meu GPS e uma placa de indicação. Existe outro acesso mais a frente que é bem melhor.
No parque tiramos fotos no portal, um pouco antes tem uma homenagem ao urubu-rei albino que foi furtado para uma história absurda.
Na sede pagamos a entrada de 25 reais por pessoa e assistimos 30 minutos de vídeo sobre o trabalho.
Na visita aos viveiros quem nos conduziu foi o Alexandre. Esse funcionário e guia é uma atração a parte. Ele tem uma enredo interessante sobre a história dramática de cada ave que foi deixada para recuperação e da característica de cada espécie de falcão ou gavião, corujas e urubu. A frase é mais ou menos assim "imagine que as patas do falcão são o punhal, o facão ou a peixeira e o bico o revólver, a metralhadora ou a escopeta.
Fomos a cada viveiro na primeira hora sozinhos, metade do percurso, logo chegou um grupo da terceira idade num ônibus o que tumultuou a outra metade da visita. Mas nós já nos estávamos satisfeitos com o que vimos. Saímos com a boa impressão do que vimos. Esse é um  tipo de oportunidade em viagens que eu busco muito, que é conhecer algo ou um lugar que não está no roteiro comum. 

Fotos do dia e o link.
Parque dos Falcões

Comentários:

Ps. 01- Depois de um longo tempo voltei a postar sobre minhas andanças. Fiz muita coisa que está represada na edição de fotos depois que o Google extinguiu o Picasa e dificultou a associação ao Blogger. Esse é especial porque no dia 12/11/2017 o parque foi assaltado por seis bandidos que renderam, bateram nos funcionários e roubaram a bilheteria do dia.

Ps. 02 - Sobre o parque, tudo começou quando um garoto resolveu criar um gavião Carcará e desse amor, nasceu a compreensão sobre cada ave de rapina que é deixado no parque para viver uma parte da vida que outras pessoas lhe retiraram.

Ps. 03 -  O que é o enredo do Alexandre sobre cada ave e a história trágica antes de chegar ao parque pelo órgão ambientalista e pela polícia quando apreende esses animais. 

Ps. 04 - Sobre as dicas a gastrotinga, que é a gastronomia com produtos da catinga foi uma das dicas que não conhecemos, porque é um evento que precisa ser contratado junto ao jovem chef Timóteo Domingos,  lá em Canindé do Sul-SE no lado sergipano dos cânions do São Francisco.

Ps. 05 - Segue o link para maiores informações do Parque dos Falcões.



2 comentários:

Renato disse...

Esse bichos estão dopados ou realmente são mansos?

Maumau Ecos disse...

Essas aves das fotos nasceram no parque e tiveram o treinamento para o público se aproximar. As demais que foram recolhidas não tem contato, ficam distantes no viveiro. É interessante na visitação a explicação dos casos de animais que foram recolhidos por causa de acidentes por contato, alguns graves, e o que eles advertem.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...